Flos

Luminator

luminator4.jpg

Um candeeiro simples e elegante, levado à sua essência mínima, onde a forma segue a função e onde a beleza surge deste balanço. Desenhado pelos irmãos Achille e Pier Giacomo Castiglioni, o Luminator é um clássico do design italiano e uma das peças mais emblemáticas da Flos. Tal como Achille Castiglioni referiu em 1995 numa entrevista à revista Domus: "Em certo sentido, é verdade que o Luminator foi criado especificamente para o Compasso d'Oro de 1955, ou melhor que se originou como a nossa resposta para exigir uma ‘forma da utilidade’ para a indústria italiana”.

luminator3.jpg
luminator2.jpg

Superarchimoon Outdoor

superarchimoon-outdoor.jpg

“A chuva caiu durante dias, meses, anos… tudo desapareceu, animais, plantas, problemas, designers, até os anjos tinham as penas molhadas. Na noite densa, pensámos que iríamos ver brilhos, depois luzes e depois clarões.
Eram os candeeiros da Flos, vindos de Itália. Eles adaptaram-se, eram resistentes à água. Já não estavam a sobreviver, estavam a viver a partir do solo, a maior felicidade das amebas fosforescentes. Um Milagre” Philippe Starck sobre este escultural candeeiro de exterior da Flos, que se adapta na perfeição a jardins ou até à beira-mar.

superarchimoonPI_F6367022.jpg
superarchimoon_outdoor_02.jpg
superarchimoon.jpg
superarchimoon_outdoor_04.jpg

Taccia Small

Uma das mais emblemáticas criações de Achille Castiglioni (e do seu irmão Pier Giacomo), o candeeiro Taccia (de 1962) da Flos tem agora um ‘irmão’ mais pequeno, o Taccia Small. Conjugando um design de aspecto industrial com a sua base em alumínio, um delicado difusor orientável em vidro e um reflector em metal pintado, o Taccia é especialmente elegante e engenhoso. “Consideram-no o Mercedes dos candeeiros, um símbolo de chegada, talvez pela sua base em forma de coluna. Quando a criámos não pensámos no prestígio, mas sim numa superfície de arrefecimento”, Achille Castiglioni.

cs_tacciasmall_02.jpeg
cs_tacciasmall_03.jpeg

Serena

Conhecida pela originalidade das suas criações, a designer espanhola Patrícia Urquiola é autora de uma das mais recentes novidades da Flos, o candeeiro Serena. “Inspirado pelo mundo natural, por folhas de diferentes formas e cores que se transformam em engenhosos difusores, reflectindo ou permitindo que a luz passe. O Serena é um candeeiro que se pretende encaixar nos mais variados ambientes, é doméstico por natureza”, refere a designer.

Snoopy

O nome deste candeeiro desenhado em 1967 por Achille & Pier Giacomo Castiglioni para a Flos não podia ser mais evocativo. A forma escultural do candeeiro faz uma perfeita alusão ao perfil da conhecida personagem animada, mas também se afirma como o ponto focal deste clássico do design italiano. Formado pelo perfeito equilíbrio entre a sólida base em mármore Carrara e a campânula superior em metal pintado preto, o Snoopy é definitivamente uma das peças mais marcantes que os irmãos Castiglioni criaram em conjunto, um candeeiro perfeito para vários ambientes, seja um escritório, quarto ou sala de estar.

AIM

AIM-Suspension-Light.jpeg

A simplicidade, ligeireza e design engenhoso fazem do AIM da Flos uma das criações mais impressionantes dos irmãos Ronan & Erwan Bouroullec. “A ideia geral que regeu este projecto foi criar um candeeiro que pudesse ser infinitamente ajustado para satisfazer todas as necessidade de iluminação. Desenvolvemos um novo tipo de candeeiro que se posiciona naturalmente num espaço - como uma planta - com longos cabos que proporcionam o máximo de liberdade para ajustar a direcção e altura da fonte de luz,” referem os irmãos.

aimf221_erb_2013_flos_aim_studiobouroullec_bdf_10_large.jpeg
aimf221_erb_2011_mutina_pico_bdfb_15_large.jpeg

OK

ok_08.jpg
OK_01.jpg
OK_05.jpg

Inspirado pelo clássico Parentesi, desenhado por Achille Castiglioni e Pio Manzù em 1971, o candeeiro OK da Flos é claramente um ícone do futuro, pela sua ligeireza, funcionalidade e inovação técnica. Tal como o seu designer Konstantin Grcic refere, "desenhar um candeeiro já não se limita a trabalhar em torno da lâmpada. Actualmente, significa desenhar a própria lâmpada ou fonte de luz. Isto desafiou-me a pensar no Parentesi, um candeeiro que celebrava a lâmpada tradicional de forma bela e eficaz. Seria possível repensar o Parentesi mais uma vez e passar a torcha de Manzù-Castiglioni para o futuro?" Disponível em branco, preto, amarelo e cromado, o OK é definitivamente um dos nossos candeeiros favoritos.

OK_03.jpg

Piani

O candeeiro Piani da Flos é um excelente exemplo da linha criativa dos irmãos Ronan & Erwan Bouroullec, apresentando uma grande simplicidade, funcionalidade e elegância. Os designers explicam o projecto desenvolvido para a marca italiana: “o candeeiro Piani é composto por uma base e topo achatados. A base é simultaneamente um tabuleiro para expor objectos sob um raio de luz triangular como se estivessem num palco”. Lindo!

Captain Flint

captain_flint_01.jpg
captain_flint_05.jpg

A linguagem que Michael Anastassiades emprega em todas as suas criações é dominada pelo sublime, mas igualmente pela originalidade. O candeeiro Captain Flint para a Flos é o perfeito exemplo disso, conjugando materiais de qualidade como o mármore com linhas intemporais e uma boa dose de funcionalidade. “Queria desenhar um candeeiro com dupla utilidade. Que iluminasse o ambiente com luz suficiente virado para cima, e com uma delicada rotação tornar-se o companheiro iluminado para a leitura. Possui uma noção de balanço com um cone suavemente colocado na ponta de um tubo rotativo”, refere Anatassiades.

String Light

Os candeeiros String são uma autêntica ode à simplicidade, mas simultaneamente são extremamente poéticos. Tirando partido do fio, algo normalmente relegado para segundo plano, o candeeiro desenhado pelo cipriota Michael Anastassiades para a Flos assume uma ligação íntima com o espaço onde está instalado através dos seus tensores a percorrer as paredes e tectos, criando longas linhas negras até ao difusor triangular ou esférico.

“Cada vez que ando de comboio, sento-me à janela e observo uma série de fios perfeitamente paralelos a ligar pilares, quando nos movemos a alta-velocidade. Adoro o forma como dividem a paisagem e como esferas são ocasionalmente entrelaçadas em intervalos regulares. Também adoro, nas culturas mediterrâneas, como fios de luzes são esticados entre postes para marcar um espaço exterior para iluminar uma festa na praça de uma vila. E finalmente, gosto como a ingenuidade humana resolve os problemas criados diariamente na casa (como interruptores e tomadas) que outros escolheram posicionar em locais onde não os queremos.”